sábado, 25 de fevereiro de 2012

Ter ou não ter Bienal?



Por Anderson Benelli


Contagem regressiva... 

O tempo passa, (tic tac), e a possibilidade da 30ª Bienal de São Paulo ser adiada ou não acontecer aumenta alimentando a polêmica. As contas da instituição estão bloqueadas por inadimplência desde o dia 2 de Janeiro e diante da possibilidade da mostra não acontecer surgem apoiadores que, através da imprensa, redes sociais e petição online, tentam pressionar os órgãos e representantes públicos a desbloquearem as contas da instituição para que a 30ª Bienal aconteça.

Algumas matérias e comentários procuram atacar e desvalidar os órgãos fiscalizadores, (CGU, TCU, MinC) pressionando e responsabilizando representes públicos caso a mostra não venha acontecer. Isso não seria uma inversão de valores e de responsabilidades?

Mas, também existem os que são contrários reforçando o debate questionando: 

Será mesmo, que devemos apoiar a instituição diante das circunstâncias apresentadas?

A importância da Bienal de São Paulo para o fomento da arte brasileira é inegável, assim como para o sistema artístico burguês. Afinal, como as transações financeiras e negociatas serão fechadas sem a grande feira? 

Como é inegável também, o esforço admirável dos educadores e educadoras em subverter a grande feira numa exposição de arte com real inclusão do povo, onde o mesmo não seja tratado como corpo numérico girando a catraca.

Enfim, a importância da Bienal é inegável. Mas isso não a coloca a cima do bem e do mal. A instituição e sua má gestão, seja do passado ou não, é a única responsável pelos atuais acontecimentos e cabe a mesma prestar contas do que foi feito com o dinheiro público.

Se a instituição não consegue justificar onde o dinheiro foi aplicado tem alguma coisa errada aí, não? A questão persiste: não seria um equívoco apoiar a Bienal nessas circunstâncias? Ou todos(as) também apoiariam um político que não consegue explicar onde foi parar o dinheiro público de sua gestão?

A Bienal cavou o próprio buraco e o papel de vítima não lhe cai bem. Seria isso, uma tentativa de ter a opinião pública a seu favor pressionando o desbloqueio de suas contas? Cabe a fundação a responsabilidade de reparar os erros e, se for o caso, repor o dinheiro público usado de forma não justificável, deixando a prestação de contas em dia junto aos órgãos financiadores e fiscalizadores. 

Caso a Bienal não aconteça (o que é muito difícil, mas pode acontecer) será uma grande perda, mas a única responsável por isso, caso se confirme, será a própria.

Nos resta torcer para que a 30ª Bienal de São Paulo aconteça, mas com transparência e prestações de contas em dia.



Links relacionados:

A MANOBRA: Ministério da Cultura abre operação para realizar Bienal






2 comentários:

Wall disse...

E se acontecer... será que esse ano haverá "vandalismo" na Bienal... a que ocorreu em 2009 "expôs" os vídeos da intervenção realizada na Belas Artes, bem como a realizada na bienal de 2007, ambas afrontando as determinações elitizadas de "arte"...mas o que me chamou atenção é que foram feitos diversos paineis em branco, um deles no formato de enormes pilastras de papelão...será que era uma provocação do tipo, "venham vandalos afrontem a ordem estabelecida pelos padrões estabelecidos de arte"? Bem...no ano passado tudo ocorreu na "normalidade", e os paineis continuaram alvos, ao contrário das nossas cidades e das "políticas" nelas empregadas? E dentro dessas políticas estão incluídas também as "políticas de incentivo a cultura" que a muito tempo acumulam muita sujeira e ai sim vandalismo com o dinheiro público e a democratização da cultura.

Anderson Benelli disse...

Wall, já é certo que a 30ª Bienal vai acontecer, uma manobra do ministério da cultura vai garantir a mostra.

A 29ª Bienal que foi a que expôs os vídeos por você mencionado ocorreu em 2010.

Já os painéis em branco nos quais você se refere é a obra do Carlos Bunga simulando pilastras de sustentação, só que feitas de papelão.

Obrigado pela visita e interação volte sempre.

Abraço